aprenda a controlar os custos de sua produção agrícola

Aprenda a controlar os custos de sua produção agrícola

2 / jan / 2020 | Deixe seu comentário

Uma propriedade mal administrada corre o risco de sofrer grandes prejuízos e até mesmo de ir à falência, portanto, controlar os custos da produção agrícola de forma adequada é uma das etapas essenciais do modelo de gestão que se pretende afinado às demandas do mercado dos dias de hoje.

Uma empresa rural, afinal de contas, só faz sentido se gerar lucro. Se você quer saber mais sobre a melhor forma de planejar, controlar e manter os seus gastos, continue lendo este artigo e tire suas dúvidas!

Por que é importante ter o controle do custos de produção?

Qualquer tipo de negócio com pretensões de competir no mercado de maneira efetivamente profissional deve se guiar a partir de uma gestão que tenha uma visão moderna.

Nesse sentido, o correto é levar em conta as despesas envolvidas em toda a cadeia produtiva. Do ponto de vista financeiro, o negócio tem de ser sustentável, contabilizando os custos fixos e variáveis. Estes, referem-se a insumos, funcionários temporários, transportes, impostos, armazenagem e aqueles tem a ver com despesas administrativas, funcionários pró-labore, escritório, manutenção).

Quais itens devem ser considerados no cálculo de custos?

A seguir, selecionamos os principais tópicos que devem compor o conjunto de gastos da administração de um negócio agrícola. Vejamos.

Investimento em máquinas                                   

É um elemento que vai gerar benefícios ao longo do tempo de sua vida útil, motivo pelo qual deve-se considerar o custo real diluído nesse tempo. Também geram custos que necessitam ser considerados, como combustível, manutenção e peças.

Insumos

Aqui, a apuração se estabelece quando as sementes, os fertilizantes, os defensivos, os adubos etc, deixam de ser estoque para se incorporar à lavoura.

Mão de obra

Neste quesito, as despesas incluem a folha de pagamento de todos os envolvidos no processo produtivo. O importante é considerar a equação do que foi planejado e do que foi efetivamente executado.

Em suma, o salário, apesar de ser pago mensamente, representa o números de horas estipuladas de trabalho. Só estas serão somadas ao custo de produção real.

Histórico da fazenda

Um tópico importante é ter o conhecimento do histórico das culturas de cada talhão da fazenda, da ocorrência de pragas, plantas daninhas e os respectivos manejos aplicados. Esse tipo de controle, com efeito, é requisito para evitar custos exacerbados na produção.

O histórico, ademais, permite identificar ao longo dos anos quais culturas foram mais rentáveis em determinadas situações e quais as estimativas para o orçamento de insumos.

Despesas gerais

A proporção das despesas gerais é outro fator que deve ser listado. Desse modo, inclui-se as contas de água, energia elétrica, frete, compra de animais, comercialização, encargos financeiros (impostos) e outros. Importante salientar que, em qualquer categoria, a utilização da tecnologia está diretamente relacionada a uma gestão eficiente. As ferramentas digitais hoje disponíveis possibilitam um controle preciso e rápido dos dados, o que influencia decisivamente no planejamento dos custos de produção.

Custo operacional de produção agrícola

Em resumo, o ajuste do cálculo dos custos de produção deve ter a seguinte base:

Custos variáveis

Custeio

  • Insumos
  • Operações
  • Funcionários (safra)

Pós-colheita

  • Consultoria/Assistência técnica
  • Transporte
  • Comercialização
  • Impostos
  • Armazenagem

Financeiro

  • Seguros
  • Juros de beneficiamento

Custos fixos

Custo anual de recuperação de patrimônio

  • Juros de financiamento
  • Depreciações
  • Manutenções

Administrativo

  • Almoxarifado
  • Escritório
  • Cantina
  • Funcionários
  • Pró-labore
  • Despesas administrativas

Métodos de cálculo do custo de produção agrícola

Basicamente, existem 3 métodos que podem ser utilizados. Vamos a eles.

Custo Operacional Efetivo (COE)

É o conjunto de todos os custos variáveis do processo de produção agrícola. Os custos variáveis mudam conforme o tipo de trabalho e a quantidade de produção.

Dentre os custos variáveis, destacam-se as despesas de custeio da lavoura, como fertilizantes, sementes, inseticidas, fungicidas, herbicidas, manutenção de máquinas, pró-labore, mão de obra etc.

Inclui-se também nos custos variáveis as despesas de pós-colheita, como armazenagem, transporte, assistência técnica, despesas administrativas, impostos, entre outras.

Custo Operacional Total (COT)

É a soma do Custo Operacional Efetivo com certos custos fixos. Os custos fixos são os que não sofrem variação de valor de acordo com o volume de produção.

Um exemplo é o custo de depreciação, ou seja, a perda do valor de um determinado bem em consequência do desgaste natural ou da obsolescência. Tais custos, na maior parte das vezes, são “invisíveis”, o que dificulta a aplicação do cálculo.

Custo Total (CT)

Representa a soma do Custo Operacional Total (COT) com os custos financeiros, especificamente, o Custo de Oportunidade do Capital e o Custo de Oportunidade de Terra.

Em resumo, o custo de oportunidade é um benefício que se perde em decorrência de uma determinada escolha. Em outras palavras, quando o produtor decide cultivar a terra, ele perde a oportunidade em outros investimentos, como aplicações financeiras ou arrendamento de terras. Portanto, a atividade escolhida precisa render mais do que aquelas opções.

Ou seja, o gestor da fazenda precisa ter como diretriz não só o lucro gerado pela sua escolha, mas também ter o conhecimento dos rendimentos que seriam produzidos nas outras possibilidades.

Garantir a sustentabilidade financeira da propriedade e colocar-se de maneira competitiva no mercado passa, assim, pelo controle de custos da produção. O conceito de empresa rural guia-se pela gestão profissional, que abarca o domínio de todos os dados envolvidos na cadeia produtiva.

E então, este texto contribuiu para enriquecer seu entendimento sobre os custos de produção agrícola? Continue por aqui e leia mais artigos que podem ser úteis a você!

Rodrigo Loncarovich é CEO da Agro Academy.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *