agricultura digital: conheça os benefícios

Agricultura digital: conheça os benefícios

Já ouviu falar em agricultura digital?

Implementar soluções que resultem na otimização dos gastos na produção agrícola se faz urgente em um contexto de mercado vivamente competitivo que exige qualidade, eficiência e, ao mesmo tempo, desvaloriza práticas já consideradas ultrapassadas.

Por outro lado, estima-se que, em 2050, a população mundial vai chegar à casa dos 10 bilhões. Cada vez mais a alimentação do planeta estará condicionada à utilização de tecnologias agrícolas.

O Brasil, sendo um gigante no cenário mundial, não pode correr por fora no campo do agronegócio e por isso vem investindo significativamente em pesquisas de máquinas, implementos, softwares e sistemas.

Os benefícios são inquestionáveis. Contudo, a implementação dessas tecnologias produz um problema de dupla face: a falta de mão-de-obra qualificada e a perda de mão-de-obra, substituída pelos processos mecânicos ou digitais.

É um desafio que todos nós do segmento teremos de enfrentar.

O conceito de agricultura digital não tem volta, e o futuro que nos espera será mais surpreendente do que se imagina. Tem dúvida?

Neste artigo, vamos destacar alguns pontos que denotam a importância do tema. Fique com a gente!

O que é agricultura digital?

É também conhecida como Agricultura 4.0, em referência à Indústria 4.0 adotada inicialmente nas montadoras de carros da Alemanha e expandida para a mundo a partir de meados dos anos 2000.

Tais inovações derivam, em um contexto mais amplo, da chamada Terceira Revolução Industrial, decorrente do desenvolvimento digital e da tecnologia da informação.

A agricultura digital é, portanto, um conjunto de tecnologias conectadas e integradas por equipamentos, softwares e sistemas, com vistas a otimizar a produção agrícola em todas as suas etapas. A ideia é utilizar ferramentas digitais que gerem dados que, por sua vez, direcionem a tomada de decisões dentro da produção.

A meta é melhorar o mapeamento, o controle e a gestão da produção agrícola, com redução de custos e diminuição do desperdícios, tendo sempre por base o levantamento de dados e informações com o intuito de maximizar os benefícios de todas as tecnologias já existentes. Como pressupõe-se que a força humana em um futuro bem próximo será incapaz de gerenciar essa quantidade de dados, os algoritmos têm de ser aprimorados constantemente.

Uma tendência irreversível

Não fica difícil imaginar alguns dos benefícios da tecnologia digital na agricultura:

  • monitoramento de pragas de doenças;
  • redução de custos com mão de obra;
  • controle detalhado do uso de insumos;
  • monitoramento das condições climáticas que interferem na produtividade;
  • controle do desperdício da produção;
  • ampliação do poder de informação;
  • gestão territorial e uso eficiente da terra;
  • maior compartilhamento de informações;
  • aperfeiçoamento das cadeias produtivas;
  • melhor integração cidade/campo.

Um cultivo baseado meramente em conhecimentos empíricos não garante um máximo rendimento, ao passo que a tecnologia digital possibilita a tomada de decisões muito mais precisas. Outra constatação importante, é que o modelo 4.0 contribui para o desenvolvimento sustentável e a preservação ambiental, além de que a otimização possibilita uma maior segurança aos trabalhadores, bem como uma melhoria na qualidade do trabalho.

Agricultura de precisão

A agricultura de precisão é uma realidade que tem ganhado força na última década e, apesar de ser considerada muitas vezes como sinônimo de agricultura digital, sua conceituação possui características sensivelmente distintas.

Podemos defini-la como um conjunto de processos que utiliza a tecnologia para melhor utilizar o solo, assim como o uso de máquinas com mais precisão e a qualificação e otimização dos insumos, medidas que acabam por aumentar a produtividade e aperfeiçoar a sustentabilidade do negócio. É um sistema de manejo de produção integrado, que procura igualar o tipo e quantidade de insumos na propriedade. Uma ideia básica é que a agricultura de precisão se diferencia da agricultura tradicional por seu nível de manejo: em vez de administrar uma área inteira como uma única unidade, adapta-se o processo para pequenas áreas dentro de um campo.

Agricultura digital e agricultura de precisão são completamente familiares e, mais do que isso, funcionam quase que necessariamente de forma coordenada.

As ferramentas digitais

Na aplicação do modelo de agricultura digital existem ferramentas que são básicas e que abordaremos em seguida.

GPS

A utilização do GPS (Global Positioning System) tem se tornado cada vez mais comum no agronegócio. O sensoriamento remoto do campo torna possível a aplicação dos insumos em quantidade adequada e nos locais corretos. A adoção do GPS na produção agrícola possibilita ações como mapeamento em campo, amostragem do solo, medição das áreas, planejamento do plantio, direcionamento do trator, inspeção da colheita e análise dos tempos variáveis de aplicação.

Ele ainda permite trabalhar em condições de baixa visibilidade, evitando preocupações com más condições: poeira, chuva, névoa, escuridão etc. Destaque-se a importância do GPS na economia com fertilizantes, pois torna possível apropriar melhor seu uso. Também mostra-se particularmente relevante para o planejamento da irrigação mais adequada à propriedade.

Outra funcionalidade do sistema de posicionamento global é seu uso em máquinas agrícolas, prática que vem gradualmente sendo implantada mesmo por pequenos e médios produtores. Uma de suas principais funções é permitir a condução das máquinas por meio de piloto automático. Também são determinantes para a redução dos abusos na aplicação de defensivos.

Internet das Coisas

No cenário da revolução tecnológica, a Internet das Coisas (em inglês, Internet of Things – IoT) é uma das inovações mais relevantes.  É a maneira pela qual objetos físicos estão conectados comunicando-se entre si e com o usuário por meio de softwares e sensores inteligentes que transmitem dados para uma rede. Nesse sentido, qualquer “coisa” que você possa imaginar pode entrar para o mundo da Internet das Coisas.

No caso da agricultura, seu uso possibilita unir diversos dispositivos utilizados no campo. Por exemplo: uma única base pode armazenar dados de maquinário, estoque, histórico de safras passadas e previsões de safras futuras, análises meteorológicas e muito mais. A conectividade entre dispositivos fixos e móveis elevam o nível de automação, melhorando a performance geral da equipe e dos equipamentos, reduzindo custos, aumentando a produtividade e facilitando tomadas de decisões mais inteligentes.

Um dos conceitos associados à tecnologia da Internet das Coisas é o de “fazendas inteligentes” (smart farms). Elas integram os sensores instalados nas máquinas agrícolas, obtendo diversas informações que orientam as decisões de forma mais eficiente. Com os dados levantados, é possível, por exemplo, fazer a análise do solo, corrigir a acidez, verificar os percentuais de umidade e porosidade do campo.

Em contrapartida, há desafios para a IoT na agricultura brasileira, como encontrar soluções para seu uso no clima tropical e também procurar dar conta dos problemas de conectividade e de cobertura de rede.

Big Data

Big Data é um sistema de armazenamento de dados que analisa as informações como suporte para tomada de decisões no agronegócio. Os dados podem ser estruturados ou não e estimulam o cruzamento de informações para se traçar estratégicas de produção. Trabalhar com o gerenciamento de uma base de dados é, com efeito, condição fundamental para a agricultura do futuro.

A agricultura orientada por dados fornece ao produtor rural dois elementos decisivos: o controle de todo o negócio e a previsão de situações.

Conceitualmente, os pilares do Big Data podem ser definidos por 5 Vs:

  • volume:

    é a quantidade de dados existente em toda a rede. A tecnologia do Big Data lida com essas informações, guardando-as em diferentes localidades e compilando-as por meio de softwares.

  • velocidade:

    é a rapidez com que os dados são gerados e mensurados no instante em que são criados, sem ter de armazená-los em bancos de dados.

  • variedade:

    permite que uma variedade de dados não estruturados seja administrada em conjunto, de forma a se obter uma medição mais apurada.

  • veracidade:

  • as análises e estatísticas do Big Data possibilitam corrigir informações incorretas e trazer diagnósticos e prognósticos assertivos.
  • valor:

    o acesso a uma quantidade gigantesca de informações ganha sentido ao gerar valor, já que passa a ser uma ferramenta crucial para tomada de decisões.

O Big Data pode ser introduzido tendo em vista diversas finalidades: análise de dados para avaliar com mais precisão o impacto do clima nas plantações; ajuste na quantidade de fertilizantes utilizada, controlando gastos e evitando perdas; mapeamento preciso e ágil do solo, de modo a prever ações a serem tomadas; estabelecimento planos de ação mais eficazes para a adubação, nutrientes e índices de umidade.

Portanto, seus benefícios estão relacionados a um ambiente mais produtivo e mais sustentável, com menos gastos e menos desperdícios. O trabalho com dados executa análises muito mais precisas.

Telemetria

Telemetria é um sistema de monitoramento aplicado para comandar, medir e rastrear coisas à distância por meio de comunicação sem fio (satélite e rádio), fibra óptica ou redes de computadores. É aplicada em pontos que estão em constante movimento, como os automóveis ou aqueles que estão geograficamente remotos, coletando suas informações e transmitindo-as para uma base de controle.

Na propriedade rural, o sistema telemétrico abrange a gestão e monitoramento da colheita; realiza remotamente por censores a coleta e o compartilhamento dos equipamentos e veículos. Os dados são enviados em tempo real a um software que permite ao agricultor, no próprio celular, visualizar o mapa informativo da colheita.

O recurso permite a conclusão de um diagnóstico completo da lavoura, otimizando as operações. No processo de pulverização, por exemplo, pode-se gerenciar uma aplicação controlada e homogênea e também administrar o gasto de combustível dos veículos.

Com a telemetria de máquinas agrícolas é possível monitorar dados operacionais, tais como a quantidade da área sobreposta, a uniformidade da aplicação do defensivo, a velocidade da aplicação e do translado, as condições climáticas do momento da aplicação, o horário de realização do processo, além de ajudar na manutenção preventiva das máquinas, levantando informações sobre o motor, a necessidade de revisão e troca de peças.

Sensoriamento

Os sensores coletam dados através da detecção da energia refletida pela superfície terrestre, de modo a obter informações de qualidade sobre o cultivo, o clima local e o solo. Eles podem ser montados e utilizados em satélites, aviões, helicópteros e drones, e podem ser diretos ou remotos.

Sensores diretos são aqueles que ficam em contato físico com o alvo da mediação. Ou seja, contato direto com plantas, solo, água, frutos etc.

Sensores remotos são aqueles que realizam a observação à distância, sem contato físico com o alvo da mediação.

A utilização dos mais diversos tipos de sensores responde a múltiplas funcionalidades, relacionadas a aspectos como características do solo, índices de vegetação, detecção de insetos e plantas daninhas, fluxo de grãos, recolhimento de dados,velocidade e deslocamento da colhedora,  cálculo da área colhida e pulverização de precisão.

Apesar do grande vigor representado pelo agronegócio no Brasil (mais de 20% do PIB), a agricultura digital ainda tem pela frente um vasto campo para se desenvolver. A Agro Academy existe justamente para ensinar o produtor rural a utilizar toda essa tecnologia.

Visite nosso site e conheça o que temos a oferecer!

Rodrigo Loncarovich é CEO da Agro Academy.

2 Replies to “Agricultura digital: conheça os benefícios”

  1. Eu não sei quem escreveu o texto, mas gostaria de agradecer!

    Trabalho com transformação cultural e digital, mas foco nas pessoas e gestão. Tenho um olhar carinhoso para este assunto dentro do agro e até agora não tinha lido algo técnico que resumisse tão bem a importância do digital no setor.

    Conheci o site/blog recentemente e já me tornei leitor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *